CRAVI realiza primeiro atendimento em Pindamonhangaba; entenda como funciona

Inaugurado na última semana pela Prefeitura de Pindamonhangaba, o CRAVI (Centro de Referência e Apoio às Vítimas) já está realizando os primeiros atendimentos no município.

O novo equipamento é uma parceria entre a Prefeitura, Governo do Estado (através de um programa da Secretaria de Justiça e Cidadania do Estado) e Ministério Público e foi inaugurado para realizar atendimento a qualquer pessoa que se sinta vítima direta ou indireta de crimes contra a vida, como tentativas e realizações de homicídio, feminicídio, latrocínio ou qualquer outro crime de natureza grave.

Quando a vítima procura o CRAVI, é realizada uma triagem para averiguar a natureza da violência. Sendo identificada a natureza grave, prossegue para a etapa do acolhimento, onde a vítima passa por um pré-diagnóstico para identificar a demanda da pessoa e se ela vai precisar de um acolhimento social, psicológico ou jurídico.

Sendo caso de atendimento do CRAVI, a vítima recebe assistência da equipe técnica, que inclui psicólogos e assistentes sociais. Essa assistência dura de um a três encontros, onde a equipe técnica procura conhecer mais a pessoa e entender a violência e qual o impacto aquilo causou em sua vida. Após esses encontros, a equipe de assistência social consegue identificar a demanda necessária para ajudar essa pessoa, como a inserção em programas sociais, atendimento psicológico, ou até mesmo orientações jurídicas.

Enquanto a pessoa estiver vulnerável por conta do trauma ocasionado pela violência, ou pela tentativa dela, o CRAVI segue dando apoio. “Dependendo do caso, o acompanhamento psicológico pode durar até dois anos, para que a vítima se fortaleça, e encontre meios para prosseguir. Enquanto ela não tiver condições para isso, ela continuará recebendo esse auxílio do CRAVI”, afirmou a psicóloga Patrícia Garcez.

Segundo a secretária de Assistência Social, Ana Paula Miranda, o CRAVI busca promover o reconhecimento e o acesso aos direitos humanos às vítimas de violência, seus familiares e pessoas próximas, contribuindo para a consolidação dos direitos humanos e o exercício da cidadania, promovendo o pleno acesso à justiça.

“O objetivo do CRAVI é dar apoio, atendimento social e psicológico às vítimas e pessoas que presenciaram situação de violência grave, consumada ou tentada, como casos de homicídio, feminicídio, latrocínio ou qualquer outra ação de natureza grave”, comentou a secretária.

Caso o atendimento não seja de natureza atendida pelo Centro de Referência, a vítima é encaminhada para órgãos parceiros, como Delegacia de Defesa da Mulher, Centro de Atendimento Psicossocial, Ordem dos Advogados do Brasil ou rede de saúde básica.

O CRAVI está localizado à Rua José Antônio Salgado, 101, Bosque da Princesa, e atende pelos telefones (12)35500507 e (12)35500508.

Por Ascom PMP